30/10/19

Augusta Cabral ― desafio 184


Eu, lenha, tenho imenso orgulho de ser.
Podeis pensar, uma loucura. Ninguém liga a um pedaço de lenha.
Pensar que, com lenha de damasco e cerejeira, se alimenta a chama do templo do fogo do zoroastrismo, a primeira religião monoteísta ética da humanidade, no Irão há 1400 anos. 
Pensar que da lenha se faz o fogo, símbolo da purificação, mas a minha maior alegria é que com um tronco de mim,  aqueço quem mais precisam de calor.
Augusta Cabral, 77 anos, Campelos
Desafio nº 184 ― monólogo de lenha

Sem comentários:

Publicar um comentário