30 dezembro 2015

Saber Aceitar, Saber Usufruir

O lugar, ermo, bravio, onde a chuva caía em cascata, onde o vento bramava na direcção dos quatro pontos cardeais, onde o amor parecia não saber atenuar os espinhos das rosas, onde o azul cerúleo escasseava, onde o vermelho dos pores-do-sol se escondia perpetuamente, onde em qualquer rua, de raríssimas casas, o caminho era de escolhos, vivia um casal com filhos, animais, plantas. Havia calor dentro da casa, harmonia, compensações...
A explicação da beleza nos lugares inóspitos!

Elisabeth Oliveira Janeiro, 71 anos, Lisboa

Desafio Escritiva nº 3 – texto com: chuva, vento, amor, azul, vermelho e rua

Sem comentários:

Enviar um comentário