31/05/21

Sofia Sobral Ramos – desafio 242

Com traje modesto, mas arranjado, saiu à rua de peito inchado. Lembrou-se da descoberta do dia anterior, uma pegada na rocha gravada, de antepassados inesperados. A escavação anunciou uma surpresa. Com todo o cuidado, penteando a terra para o lado, revelou-se ali uma marca do tempo! Mais um contratempo para a construção, teria de se adiar o arranque da obra. O achado deixara-o confuso mas em êxtase. Finalmente uma descoberta! Aquela terra confessava-se como uma porta aberta…

Sofia Sobral Ramos, 43 anos, Coimbra

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Maria T – desafio 242

Acordo de manhãzinha, eu.

Eu modesto como sempre.

Aprecio o meu quarto.

Quarto brilhante e com paredes lindas.

Paredes forradas com pegadas em preto.

Cuidado, não se assustem!

O preto não é triste sempre.

Sempre a adiar as responsabilidades.

Responsabilidades de viver.

Viver uma vida feliz.

Preto tão confuso, tão eu.

Minhas decisões, meus desvios.

Desvios das dificuldades.

Dificuldade de viver em paz e liberdade.

Vida com liberdade de expressão, com igualdade.

Minha vida tão só, minha.

Maria T, 12 anos, 6º ano, Coimbra

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Chica – desafio 243

Nem sempre de alegrias a vida é feita. 

Parece que quando muito alegres estamos, à nossa porta um toque e se abrirmos, a tristeza entra, se apodera dos compartimentos de nossas casas...

Por isso, valorizemos cada momento de felicidade, vamos rir, brincar, cultivar   alegria. 

Deixemos a tristeza do lado de fora! Apenas a escutemos para que possamos verificar o real motivo dela. 

Sejamos alegres, isso chama felicidade, espanta a tristeza que sempre pode nos rondar!

Chica, 70 anos Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil 

Publicado aqui: ♥ Chica brinca de poesia ?♥: ♥ Sentimentos...♥

Desafio nº 243 – par de palavras opostas

Rosélia Bezerra – desafio 243

Estou in off para os egoístas, para os insensíveis, para os invejosos, para os dissimulados.

Estou on line para os amigos para minha família, para quem me ama, para o meu Deus.

Estou in off para os desalmados, para os ciumentos, para os mercenários, para os falsos.

Estou on line para os bem-amados, para os sinceros, para os que me valorizam, para os beneméritos. 

Estando assim in off ou on line, dou margem ao Amor, acato desamor.

Rosélia Bezerra, 66 anos, ES, Brasil

Desafio nº 243 – par de palavras opostas

Publicado aqui: https://perolasespirituais3.blogspot.com/2021/05/amor-x-desamor_30.html

30/05/21

Desafio nº 243

Sempre ouvi dizer que os opostos se atraem, e é à volta de opostos e contrários que vai andar este desafio. 


Escolham um par de palavras opostas ou contrárias e escrevam uma história em 77 palavras à volta desse par. 

Exemplo: afia/desafia

 

Eu escrevi assim:

Um afia desafiador, desafiava tudo e todos. 

Recusava afiar lápis de bico partido e fugia de estojo em estojo. 

Não o fazia por maldade, era apenas brincadeira. 

Mas havia quem não gostasse da falta de boas maneiras. 

Um dia, caiu ao chão, ficou por ali sozinho. 

Se não fosse a ajuda dos outros, nunca teria aparecido. 

Agora, continua desafiador e a gostar de estar escondido, 

mas quando um lápis pede ajuda, já não recusa o pedido.

Isabel Peixeiro, 38 anos, Mafra

Desafio nº 243 – par de palavras opostas

29/05/21

Helena Rosinha – desafio 241

Nesta cela abafada e triste, iluminada pela única vela deixada por alguma Mariana, não sei se é noite, se o sol brilha. Imaginação, delírio, paixão confundem-se e fundem-se, dão corpo a outro eu. 

Porque cartas não escrevo, nem qualquer cavaleiro desce da sela para me cortejar, é no branco da tela que procuro cravar o amor, o desespero, a perda que, por palavras, alguém expressou de forma intensa e bela. 

Solidão. Nela revivorecrio a lenda intemporal.

Helena Rosinha, 68 anos, Vila Franca de Xira

Desafio nº 241 – palavras de 4 letras, mudando apenas 1 letra

Carlos Matias – desafio 242

Era simples e modesto o homem que entrava pela porta da casa. A casa ensombrava a paisagem deixando uma pegada monstruosa pelas formas terríficas que emergiam na rua. A casa era estranhamente bondosa, seriam as altas cornucópias construídas com cuidado e esmero, que invadiam de medo aqueles que se aproximavam. O homem não queria entrar, preferia adiar a sua entrada naquele mundo confuso e disforme, mas obrigava-se pela sua amada que na torre da casa vivia.

Carlos Matias, 54 anos, Paredes

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Lídia Vicente – desafio 139

Talvez tenhamos tempo de enganar o tempo. 

Ele é quem nos desafia sem limites. 

Talvez lhe troquemos todas as voltas, invertendo-o.

Ele força-nos a viver umas rotinas alucinantes.

Talvez consigamos resistir, caminhar em frente, sobreviver.

Ele prega-nos partidas de muito mau gosto. 

Talvez acordemos sem ele e possamos descansar. 

Ele obriga-nos a correr numa direção incerta.

Talvez lhe troquemos todas as voltas, invertendo-o.

Ele convoca-nos sem dó nem piedade, irra…

Talvez possamos acabar o nosso sonho interrompido. 

Lídia Vicente, Alentejo

Desafio nº 139 ― todas as frases com 7 palavras ― Talvez… + Tu…

Lídia Vicente – desafio 137

Era uma vez uma rosa formosa e apaixonada. No êxtase da sua paixão, contemplou um chão semeado de milho. A palha era nele o que restava. Palha amarela e seca era alimento de um burro que a comia, preso ao destino. O animal testemunhou o fogo da rosa, tão intenso e incandescente que, se de um isqueiro tivesse saído, todo o precioso pasto teria consumido, mas o burro continuou sua refeição e o fogo, um coração acalentou! 

Lídia Vicente, Alentejo

Desafio nº 137 ― rosa, isqueiro, burro

27/05/21

Verena Niederberger – desafio 242

Modesto era fazendeiro.

Adorava o silêncio das manhãs na roça.

A vida era tranquila e bela.

Certo dia, ao levantar, avistou uma pegada no tapete da sala.

Com o máximo cuidado afastou as pesadas cadeiras de imbuia e o antigo sofá.

Nada encontrou...

Resolvera adiar a busca para depois do café.

O latido tímido de um cão interrompeu a calma daquela manhã.

O animal fitava, confuso, a movimentação.

Roque encontrara um lar.

E foi feliz para sempre...

Verena Niederberger, 70 anos, Rio de Janeiro, Brasil

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Diogo S – desafio 242

O Ricardo tem-se mostrado pouco modesto, perante a sua amiga Maria.

Eles fizeram um contrato, cujo fim era deixar uma pegada de amizade eterna.

O rapaz exagerou nos cuidados com a Maria, deixando-a nervosa, ela não conseguia corresponder às exigências do Ricardo.

Pensaram em adiar o compromisso, não sendo possível, porque já muitos sabiam dos seus propósitos.

Tudo parecia confuso, contudo, amizade é algo que nunca tem fim, por isso, o projeto permaneceu na vida deles.

Diogo S, 16 anos, EPADRC-Alcobaça

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

26/05/21

Beatriz F H – desafio 242

O mundo em que vivemos é pouco modesto, as pessoas mostram –se bem, nem sempre sendo a verdade.

Todos precisamos de deixar uma pegada de amor no nosso planeta. Para isso, temos de compreender melhor os outros, e não apenas criticá-los.  

Devemos ser cuidadosos nos relacionamentos, ajudando os outros a ser mais felizes.

Nunca devemos adiar palavras simpáticas, são elas que criam pontes entre os seres humanos

O mundo está confuso, mas temos esperança de melhorar.

Beatriz F H ,16 anos, EPADRC - Alcobaça

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

4ºano, BE de Valongo do Vouga

Bem, era um dia normal, uma rapariga normal, numa escola normal…Mas o que muita gente não sabia era que ela tinha um sonho, o sonho de ir para Hogwarts. Ela era a maior fã das sagas de Harry Potter. Imaginava um dia conhecer o trio d´ouro. Um dia ela, sem querer, fez um feitiço que a transportou para Hogwarts. Lá, encontrou o Harry, a Hermion e o Rom, claro. Assim ela pôde realizar o seu inimaginável sonho. 

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

Um dia fui até à biblioteca escolar e pedi um livro à bibliotecária. 

Mas como escolher entre tantos? O que seria de nós sem os livros das receitas das avós, das histórias do nosso passado, da ciência e da matemática? Ou sem os maravilhosos livros de aventuras de onde copio travessuras? Talvez divertir-me naqueles de desenhos e pinturas, ou geografia para viajar por todos os lugares do mundo! Leio um livro sou quem quiser, vou onde quiser. 

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

A minha biblioteca 

A biblioteca empresta livros, para imaginar e entrar num mundo encantado. Entrei na história e sou um menino da aldeia. Com a minha varinha, vou ajudar a que todos os meninos tenham acesso a livros e à biblioteca escolar. Ao dormir na biblioteca apareceu o Peter Pan e juntos conseguimos que todos os meninos conseguissem ter um livro para lerem em casa. Quero que todos os meninos consigam sonhar e serem felizes a ler.

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

O Covid-19 invadiu a biblioteca para aprender 

Estava eu na escola a ler um livro na biblioteca quando vi o Covid, sim o Covid, a ler um livro sobre o corpo humano. 

– O que fazes aqui? – perguntei. 

– Estou a ler um livro sobre o corpo humano para continuar a infetar. 

– Sabes que nos fazes muito mal? As pessoas podem adoecer ou morrer! – disse-lhe eu. 

– Mas eu, mas eu fui criado para isso! 

Então eu berrei com ele. 

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

Na Biblioteca Escolar existem centenas de livros, que as crianças podem ler. Muitas destas crianças, os pais não lhe conseguem comprar livros e a biblioteca Escolar é uma boa opção.   

Nela, existe silêncio para lerem as histórias com concentração. O silêncio é tanto, que começamos a ler a história e parece que viajamos dentro dela.  

Além de histórias, também existem outros livros que também podemos requisitar e levar para casa. É muito bom ter uma Biblioteca escolar.  

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

O João que sempre adorou ler, ia à biblioteca, quando viu a porta da sala do diretor aberta. 

Como era curioso, foi ver os livros interditos. Ele pegou num e quando o abriu saíram criaturas mágicas, como elfos, anões, dragões e olofantes, que são como elefantes, mas muito maiores. 

O João perguntou: 

– De onde vêm? 

– Nós viemos do «Caminheiro da Alvorada» e estamos à procura de um rapaz chamado João, para partir numa aventura fantástica. 

– Sou eu! 

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

Eu vivi uma experiência na Biblioteca Escolar. Eu costumo ir à Biblioteca Escolar para requisitar livros, eu gosto dos livros de lá.   

Um dia sonhei que estava na Biblioteca a ler um livro “Uma aventura na terra e no mar”, até que entro no livro, acordo e o sonho torna-se realidade. Finalmente, estava na Biblioteca. Um dia esqueci-me do que ia ter na Escola e demorei muito tempo com um amigo meu. Aconteceu que baralhei tudo! 

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

Ia eu no comboio para Hogwarts e na chegada fui para a biblioteca escolar. Lá havia muitos livros com histórias de Hogwarts. Eu estava c muito contente de me acontecer isso só a mim. 

Tinha lá muitas histórias com o Voldemorth, de como quando ele atacou a escola de Hogwarts. 

Também havia uma história com o Voldemorth ou o Tom Riddle e de como ele atacou os pais de Harry Potter, depois de anos ele quis atacá-lo. 

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

Uma noite na biblioteca  

Numa noite de tempestade estava eu na biblioteca da minha escola a acampar. A biblioteca estava iluminada com as luzes e foi nesse preciso momento que falhou a luz. Eu assustei-me muito, quando de repente vi uma lanterna que se ligou no fundo do corredor e adivinhem quem era, o Lobo Mau! Eu comecei a subir as escadas cheia de medo, mas percebi que seria tudo da minha imaginação. Mas afinal não era. 

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

4ºano, BE de Valongo do Vouga

Na biblioteca escolar já fiz muita coisa! Escolhi um livro a ver com o espaço, que me dizia muito sobre a terra e tudo o que lá vive, mesmo as espécies extintas como os dinossauros que viveram muito mais tempo que nós, se compararmos. 

Gostei imenso porque é à biblioteca que eu vou buscar imaginação, factos, curiosidades e histórias de ficção como contos de fadas infantis. Adoro a biblioteca, é um dos meus cantos favoritos da escola.  

4ºano, BE de Valongo do Vouga, Águeda

Desafio RBE 2021

Beatriz P, Beatriz O e Mariana M – desafio 242

Há muitos, muitos anos existia um modesto dinossauro. Este tinha uma pegada enorme e por isso andava sempre a tropeçar. No entanto tinha um grande talento, cantar, e por isso inscreveu-se no concurso da escola. 

Momentos antes de entrar no palco a mãe disse-lhe "cuidado com esses pés filhote" era como adiar o inevitável, a meio da apresentação tropeçou nos próprios pés e caiu no chão, a plateia confusa aplaudiu. Assim começou a carreira deste dinossauro trapalhão.
Beatriz P, Beatriz O e Mariana M, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Henrique M, Mariana G e Duarte S – desafio 242

As pessoas estão a ser modestas em relação à pegada ecológica, que é a marca que os seres humanos estão a deixar no planeta Terra em relação ao meio ambiente. A sua falta de cuidado é preocupação está cada vez mais a afetar a biodiversidade terrestre. As pessoas vão adiando os seus cuidados para seu próprio lazer. Fazendo com que se crie um enorme rasto ecológico nunca antes visto, deixando uma grande confusão para as gerações futuras.
Henrique M, Mariana G e Duarte S, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Ana S, Duarte R e David G – desafio 242

Num certo dia, uma menina chamada Fiona de uma família muito modesta, encontrou uma pegada de urso e como ela era muito curiosa seguiu as pegadas do urso mas, sempre com cuidado, pois estava com muito medo. Até que ela teve uma revelação chocante, em vez de ser de urso, as pegadas eram de um gigantesco ogre. Ela ligou para o patrão para adiar a sua reunião e voltou para casa bastante cansada e também muito confusa.

Ana S, Duarte R e David G, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Beatriz B – desafio 242

Era uma vez um menino que era muito modesto.
Uma vez esse menino encontrou uma pegada no chão do parque de diversões, e com cuidado ele foi ver de quem era, mas não achou a pessoa que tinha feito aquilo.
No dia seguinte, o menino tinha uma consulta de rotina, mas como queria saber quem tinha deixado aquilo no chão do parque, ligou para o consultório e pediu o adiamento da mesma ainda que bastante confusa.
Beatriz B, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Damaris D, Daniel D, João R, M Inês F e Micael V – desafio 242

Numa noite escura, estava um homem modesto, num bar, onde haveria uma festa. 

Este estava a ir para casa quando o mataram; foi trágico! Entretanto, chegou a polícia e encontraram uma pegada do suposto assassino. Eles disseram a toda a gente para que tivessem cuidado, que não fossem para local do crime. 

Com isso tudo, tiveram de adiar a tal festa, mas também penso que não haveria problema, pois a festa meio que já estava muito confusa

Damaris D, Daniel D, João R, M Inês F e Micael V, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Carina D e Pedro C – desafio 242

Certo dia num lar de idosos, estava Modesto um homem simples, simpático e humilde sentado no pátio a admirar as aves. Num dado momento aparece Ana a auxiliar preferida de Modesto, que era muito pegada a ele. Ana era muito especial na vida de Modesto, pois tinha cuidado dele desde o seu primeiro dia ali. Joana, filha de Modesto andava sempre a adiar a visita com o pai o que o deixava muito triste e confuso.

Carina D e Pedro C, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Ana F, Diana B, Inês D e Marta G – desafio 242

O nosso grupo de amigos decidiu construir uma casa modesta. Quando a casa estava pronta a Diana entrou com as botas sujas e fez uma grande pegada. A Inês quando viu aquilo disse:
– Cuidado Diana!
Entretanto, a Ana chegou a casa e quis limpar a Marta disse que tínhamos de adiar porque ele ia ao médico.
A Inês chegou a casa depois do trabalho a pensar que a casa estava limpa e ela disse:
– Que confusão!
Ana F, Diana B, Inês D e Marta G, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Beatriz P, Beatriz O e Mariana M – desafio 241

Era uma vez uma fada que tinha fama de fala barato. Ela vivia numa pequena casa, esculpida à faca pelo marido, na copa de uma árvore.
Dali tudo via e ouvia. Vivia sozinha há mais de dez anos após a morte do seu amado. Aos domingos jogava o faça à fava com as amigas e discutiam o que por ali se passava. Esta é a história da dona Faia, uma senhora que tudo sabia mas nada tinha.
Beatriz P, Beatriz O e Mariana M, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 241 – palavras de 4 letras, mudando apenas 1 letra

Carina D e Pedro C – desafio 241

Numa noite, Bela encontrava-se perdida numa floresta fria, escura e sombria. Bela não encontrava o caminho para casa, caminhou e caminhou durante horas, até que encontrou um castelo abandonado. Esta entra e depara-se com uma tela bordada com um monstro, até que de repente aparece alguém atrás dela e coloca-a numa cela inconsciente. Bela que gela de frio, acorda e a única coisa que vê é uma vela numa mesa. Aí a pobre Bela chorava pela sua segurança.

Carina D e Pedro C, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 241 – palavras de 4 letras, mudando apenas 1 letra

Marta G, Inês D e Ana F – desafio 241

A Marta, a Inês e a Ana estavam a passear pelo campo com a ajuda de um mapa, até que uma abelha pousou na mala da Ana e esta disse para a Inês:

– Mana, mata essa abelha antes que ela me pique.

A Inês, ao matar a abelha, escorregou numa pedra e teve de ir para o hospital de maca. A Marta levou uma maçã à Inês e Ana, como era maga, curou por magia a entorse

Marta G, Inês D e Ana F, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 241 – palavras de 4 letras, mudando apenas 1 letra

Duarte S e Mariana G – desafio 241

Certo dia, a minha cota seguiu a sua rota na sua velha mota para ir ter com o meu irmão Jota. Durante a sua rota ficou sem gota e teve de gastar uma nota para continuar a sua rota. 

Quando chegou à casa do Jota apercebeu-se de que perdeu uma bota e teve de repetir a rota para achar a sua nota. Depois de achar a bota voltou para casa do Jota para comer peixe da lota.

Duarte S e Mariana G, 9º A, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 241 – palavras de 4 letras, mudando 

David G e Ana S – desafio 241

No dia 24 de Junho de 1998, num mundo mágico, uma fada contou-me sobre um homicídio em que uma mulher espetou uma faca no marido, pois este pediu-lhe que fizesse uma sopa de fava. Este caso ficou famoso e foi motivo de fala entre a população desse país.
Depois de ouvir essa história, eu pedi-lhe:
– Faça-me o favor de publicar isso nas mídias sociais, pois fará muito sucesso.
Ela concordou, mas devido à fama que ganhou, suicidou-se.

David G e Ana S, 9ºA, EBS Luís de Camões, Constância, prof. Maria Nicolau

Desafio nº 241 – palavras de 4 letras

25/05/21

Beatriz F – desafio 242

Rita achava João demasiado modesto, contudo, um dia a sua coragem surpreendeu-a. Viram uma pegada, que previa algo estranho. Os jovens, muito cuidadosos, continuaram o caminho. Um carvalho e algo desconhecido assustou-os. Fugir não era solução - adiar o passeio, nem pensar! Refletiram antes de agir. Havia confusão nas  cabeças, as ideias não apareciam. João, muito responsável, resolveu investigar. Afinal, era uma avestruz assustada. Pôs-se em fuga rapidamente. O mistério estava desvendado, prosseguiram o caminho, rindo do acontecimento.

Beatriz F, 18 anos, EPADRC – Alcobaça      

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Toninho – desafio 242

Julião, cidadão modesto, vivia no morro solitariamente. Domingo de carnaval foi com seu cão, catar latinhas de cervejas e desapareceu. Sequer uma pegada deixou.

Insistentes latidos acordaram Juliana. Cuidadosa pela janela viu só o cachorro. Sem adiar, convocou vizinhos, foram procurar com os foliões bêbados. Sem sucesso notificaram a polícia.  

Quarta-feira de cinzas apareceu confuso sujo de batom, apenas lembrava da cachaça com aquela mulher. Foi golpe boa noite cinderela. Sorrindo abraçou seu cachorro, olhou amavelmente Juliana.

Toninho, 65 anos, Salvador-Bahia, Brasil

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

24/05/21

Ana Teresa Santa Clara – desafio RBE 2021

Vêm curiosos, ansiosos por descobrir. Ou vêm desconfiados, cautelosos. Vêm solitários, ou em grupo, para se amparar.

Vêm por vezes cansados, desalentados, a professora que não ouviu, o colega que escarneceu, a mãe que zangou, a escola que está cinzenta.

E na biblioteca pode descobrir-se cor.

Pode propor-se um livro, um amigo. Alimentar curiosidades, encaminhar, abrir janelas. Desarmar o receio, oferecer conforto, bem-estar. Fazer a diferença no dia, na semana. Quiçá deixar uma marca para a vida.

Ana Teresa Santa Clara, 53 anos, Lisboa

Desafio RBE 2021

Rafael F – desafio 241

Numa manhã de verão, a Isabel decidiu ir à praia e preparou a sua mala. Colocou protetor solar e uma toalha. Vestiu a sua túnica nova e pôs o seu boné com uma pala às bolinhas.

Quando chegou, foi ao bar CALA e FALA buscar uma garrafa de água. Ao descer as escadas, não reparou numa vala, acabando por cair. Teve que ir ao hospital e foi para uma sala onde lhe puseram uma tala. Grande azar!

Rafael F, 10 anos, Gondomar, Colégio Paulo VI, prof Raquel Almeida e Silva

Desafio nº 241 – palavras de 4 letras, mudando apenas 1 letra

Natalina Marques – desafio 242

Era um homem modesto, e o seu sonho era deixar a sua pegada na história da sua vida.

Queria ser lembrado como muitos heróis do nosso tempo passado. Tinha cuidado com as palavras pensava duas vezes antes de as proferir.

Não gostava de adiar fosse que assunto fosse que tinha para fazer, dizia que "não se deixa para amanhã o que se deve fazer hoje".

Achava que era de uma grande irresponsabilidade, essas atitudes deixavam-no bastante confuso.

Natalina Marques, 62 anos, Palmela

Desafio nº 242 – 5 palavras obrigatórias, por ordem

Trio de Olhão – Clube Desafia-te

Era uma vez um barco a remos que enjoava com as ondas. Um dia, uma menina entrou no barco, que se chamava “Onda vai”, e começou a remar. 

O “Onda vai” começou a nadar, mas ficou tão enjoado, que vou-te contar…

A menina caiu, naquela onda vai e onda vem, mas nadou até à margem onde viu aquele barquinho afundar-se. 

De repente, o barco apareceu atrás dela!!! Que feliz que a menina ficou! 

Afinal, fora um sonho!

G. S., 8 anos, J. V., 21 anos, C. V., 57 anos, Olhão

Clube Desafia-te

Trio de Olhão – Clube Desafia-te

Arco-Íris

Quero desenhar só com as cores do arco-íris.

Com o vermelho desenho um coelho.

Com o laranja desenho uma laranja de franja!

Quando vier o amarelo, faço um pimento belo.

E o verde? Onde está?

Está no meio do arco-íris.

Vou desenhar a sede com a cor verde.

Com o azul desenho um bule.

Com o roxo desenho um mocho.

Com o rosa desenho a Ria Formosa.

Gosto muito do arco-íris e... é tão pertinho daqui…

G. S., 8 anos, J. V., 21 anos, C. V., 57 anos, Olhão

Clube Desafia-te

Trio de Olhão – Clube Desafia-te

Tenho uma madrinha muito estranha: chegou de madrugada com bens rudimentares e ainda não veio visitar-me. Penso que veio de Edimburgo. Tenho de investigar… Vou consultar as notícias: “Umas joias preciosas desapareceram, misteriosamente.”  

Ah! Será que é isso? Será que eu tenho uma madrinha gangster?

Tanto investiguei que descobri o mistério. Era verdade, a minha madrinha era gângster! Mas onde estavam as joias? 

Procurei e encontrei: estavam no ovo da Páscoa! 

A madrinha ia pôr-me de castigo!

G. S., 8 anos, J. V., 21 anos, C. V., 57 anos, Olhão

Clube Desafia-te

Sofia G. – desafio 180

– Não acredito que ela acreditou que perdeste o troco!

– É verdade. Ela acreditou piamente e eu aproveitei o resto do dinheiro para comprar doces, queres um?

– Claro que quero! Isso pergunta-se?

E lá elas ficaram a comer todos os doces, enquanto assistiam um filme e conversavam, até que ficaram com dores de barriga.

Elas não tiveram escolha, contaram a verdade, que estavam com muitas dores. E lá a mãe delas as ajudou, mas depois meteu-as de castigo.

Sofia G., 7º B, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: “Ela acreditou piamente e eu aproveitei o resto do dinheiro”, Diário de uma totó 1, de Rachel Reneé Russell

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Leonor B. – desafio 180

Vozes, risos, canções e sinos enchiam o ar da tarde, enquanto andava pelo parque à procura de folhas para a minha coleção de plantas. Entretanto, vi uma folha dourada e quando me aproximei para a apanhar, entrei dentro da árvore. Parecia que estava a cair num buraco sem fundo e quando me apercebi, fechei os olhos e desmaiei. Quando acordei, abri os meus olhos e me deparei com um leão com dentes de sabre e asas de anjo.

Leonor B., 7.º B, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: «Vozes, risos, canções e sinos enchiam o ar da tarde.», O Cavaleiro da Dinamarca, de Sophia de Mello Breyner Andresen.

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Inês Y. – desafio 180

Um certo dia, as amigas, depois do almoço, foram para um dos dormitórios, para conversarem sobre o rapaz que tinha fugido de casa e andava a rondar o colégio.                                                           

– Acho que ele fugiu porque teve medo de dizer a sua nota do teste… – disse a Ana com pena dele.

– Se calhar foi mesmo isso – acrescentou a Rosa.

– Pois! – reiterou a Luísa. – Aliás, acho que ninguém tem culpa de ser assim!

– Está na hora, vamos? – disse a Rita. 

Inês Y., 7ºB, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: “ – Pois! – reiterou a Luísa. – Aliás acho que ninguém tem culpa”, O Mundo da Inês 8, Mudanças, segredos e despedidas, de Sara de Almeida Leite

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Diogo P. – desafio 180

Num dia, antes do torneio de futebol, estávamos a treinar num campo de futebol. Estava tudo a correr bem, até ao momento em que o sol desapareceu e começou a chover. Nós começámos a pensar que o torneio já ia correr mal, pois não tínhamos treinado o suficiente.

Depois desse pensamento, o dia ficou triste e frio. Enquanto íamos para casa, o sol voltou a aparecer e ficámos muito felizes, porque agora podíamos voltar a treinar mais.
Diogo P., 7.º B, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: «Depois desse pensamento, o dia ficou triste e frio. Enquanto íamos», Leon, o rei das fintas - As feras do futebol clube, de Joachim Masannek

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Constança C. – desafio 180

Quando entraram na divisão viram o corpo estendido no tapete, o quarto estava todo desarrumado. Havia sangue salpicado por todo o lado. O quarto parecia um matadouro. O inspetor Godinho entrara na divisão e começara à caça de pistas.” Este quarto está uma confusão”, pensou ele, “Não vai ser fácil encontrar as pistas”.

– Bem, sargento Salgado, comece a interrogar toda a gente! Ninguém sai desta casa até este crime estar esclarecido.

– Sim, Senhor! – e saiu do quarto.

Constança C, 7.º B, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: «Havia sangue salpicado por todo o lado. O quarto parecia», O Natal de Poirot, de Agatha Christie

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Alice B. – desafio 180

A Leonor e o Tomás viajavam pelo mundo, explorando ao máximo. Um dia chegaram a uma raia que aparecia num cartaz, mas estava muito diferente do mesmo por estar toda poluída: havia garrafas de plástico espalhadas na areia, cordas, redes, cigarros, etc.

A Leonor estava muito revoltada:

– Mas revelam alguma falta de respeito. É imperativo que as praias estejam limpas sem poluição. –  Foi aí que o Tomás teve a ideia de criar uma associação: Limpar para viver.

Alice B., 7º B, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: “-Mas revelam alguma falta de respeito. É imperativo que as”, O Segundo Ano no Colégio das Quatro Torres, Enid Blyton

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Airam T. – desafio 180

Um turista francês

No final de janeiro, uma linda menina visitou a Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém, que é um dos edifícios mais sagrados do Cristianismo, pois segundo os Evangelhos, está no seu interior o local exato onde ocorreu a crucificação, sepultamento e ressurreição de Jesus, então foi para o Muro das Lamentações e a Via Dolorosa. No final de Fevereiro, ela se despediu de Jerusalém, e na sua câmara foram gravadas preciosas e sacras imagens.

Airam T., 7º B, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: “No final de Fevereiro, ela se despediu de Jerusalém, e”, O Cavaleiro da Dinamarca, de Alice Vieira

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Tomás M. – desafio 180

Certo dia, Pedro, criança sonhadora e aventureira, viu o filme Super-Homem, que ilustrava um herói fascinante que tinha superpoderes. Uma parte do filme, mostrava heróis a voarem para proteger a cidade. Nesse instante, Pedro queria uma coisa. Queria ser um daqueles homens que a bordo do seu instinto mantinham a cidade segura. Foi quando Pedro percebeu que estava nas suas mãos tentar tornar o mundo melhor, mesmo não tendo poderes, mas, isso sim, tendo um bom coração.

Tomás M., 8ºB, Agrupamento de Escolas Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca.

Do livro que estou a ler, copiei isto: «Queria ser um daqueles homens que a bordo do seu», “Saga” in Histórias da Terra e do Mar, de Sophia de Mello Breyner Andresen.

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Priscila P. – desafio 180

Numa manhã, um menino dirigiu-se à mãe muito alegre e disse:

– Mãe, já posso escolher o que quero estudar.

– Que bom, filho. E o que queres estudar?

– Quero estudar artes.

– Não. Escolhe outra coisa. Podes estudar leis ou medicina ou engenharia.

– Mas eu quero ser um artista.

Passaram-.se alguns segundos, e o rapaz ia ficando bastante preocupado.

A mãe pensou e pensou, poderia ela dizer-lhe que não? Por fim, sorriu e disse:

– Ok, meu filho, sê feliz…

Priscila P., 8.º B, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: «Escolhe outra coisa. Podes estudar leis ou medicina ou engenharia.», “Saga”, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Matilde F. – desafio 180

Há algum tempo, fiz uma viagem à Inglaterra. Assim que cheguei em Londres, a meio da noite, um táxi preto parou. O motorista perguntou-me:

– Precisa de ajuda?

– Sim, por favor! Pode indicar-me onde fica o West Hotel?

– Claro! Entre que eu levo-a até lá! – respondeu o taxista.

Ao longo do percurso até ao hotel, o motorista foi-me dizendo os monumentos e lugares que eu deveria visitar durante a estadia.

Fiquei bastante contente com a simpatia do senhor!

Matilde F., 8ºB, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: «Em Londres, a meio da noite, um táxi preto parou», O último Grimm, de Álvaro Magalhães

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Mariana S. – desafio 180

Numa noite chuvosa, olhava pela janela a lua cheia. De repente, ouviu um estrondo e olhou para trás: um amontoado de caixas havia caído de uma prateleira. Enquanto arrumava as caixas, deparou-se com o diário de viagens da sua adolescência, e quando deu por ele, havia mergulhado em memórias do passado.

Lá estava o moço a embarcar sozinho na sua cidade, em busca da sua autonomia…

No adolescente evadido ele via agora um reflexo da sua liberdade.

Mariana S., 8ºB, Agrupamento de Escolas Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca.

Do livro que estou a ler, copiei isto: «No adolescente evadido ele via agora um reflexo da sua», “Saga” in Histórias da Terra e do Mar, de Sophia de Mello Breyner Andresen.

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Filipe C. – desafio 180

Numa certa noite, dois ladrões decidiram assaltar uma joalharia.

E lá estavam eles no caminho iluminado pela luz das lanternas que seguravam nas mãos enluvadas.

– Cuidado!!! – disse então um dos ladrões.

De repente, apareceu um segurança armado. Tinha uma cara de mau e parecia que tinha acabado de acordar.

Os dois ladrões perceberam que aquele assalto não ia resultar, então, decidiram assaltar uma velha rica para lhe roubar a dentadura de ouro e a sua peruca ruiva.

Filipe C., 8ºC, Agrupamento Escolas Santa Catarina, Oeiras, prof Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: «iluminado pela luz das lanternas que seguravam nas mãos enluvadas», Vaticano, de José Rodrigues Dos Santos 

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Afonso A. – desafio 180

– Até breve e boa sorte para o teste. Vais conseguir ter boa nota – disse a Maria Joaquina.

Ao entrar na sala, estavam os testes todos nas mesas e comecei a ficar nervoso, pois não tinha estudado nada. Sentei-me na cadeira rodeado de vários colegas e, ao começar a fazer o teste, parecia que cada minuto era um segundo. Ao acabar o teste, libertei um peso sobre os ombros, porque agora era menos uma coisa em que pensar.

Afonso A., 8º B, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca

Do livro que estou a ler, copiei isto: “Até breve e boa sorte para o teste. Vais conseguir”, OS INDOMÁVEIS F.C Contra tudo e contra todos, de Álvaro Magalhães

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Vera S. – desafio 180

– As raparigas teriam de pagar o dobro, claro, pois tinham muito cabelo na mona.

– Então, e se forem carecas?

– Depende do penteado que querem, Maria.

– Ohh! João, se forem carecas vão fazer que penteado? Tranças?

– Não tinha pensado nisso. Sendo assim, devem pagar o mesmo que um rapaz, mas os carecas podem querer tratar das suas perucas.

– O senhor Rui só faz cortes de cabelo, não trata de perucas!

– Vamos, já tens o teu corte de cabelo.

Vera S., 8ºC, Agrupamento de Escolas Santa Catarina, Oeiras, prof. Helena Fonseca.

Do livro que estou a ler, copiei isto: “- As raparigas teriam de pagar o dobro, claro, pois tinham”, João Porcalhão, dentes de vampiro, de David Roberts.

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler

Vasco F. – desafio 180

O João e o Pedro são dois amigos, que combinaram ir à pesca.

Quando chegaram ao barco, o João estava com muito medo de entrar nele.

– Então? Estás com medo de entrar no barco? – perguntou o Pedro.

– Tenho medo dos piratas! – respondeu o João.

– Não tenhas medo, maluco! Sossega que ninguém te faz mal! Os piratas não existem! – disse o Pedro.

O João lá entrou no barco e divertiram-se mesmo muito.

– Que rica pescaria! – disseram os amigos.

Vasco F., 8ºC, Agrupamento de Escolas de Santa Catarina, Oeiras.

Do livro que estou a ler, copiei isto: «- Não tenhas medo, maluco! Sossega que ninguém te faz mal!», Bichos, de Miguel Torga

Desafio nº 180 ― 10 palavras do livro que estamos a ler