30 setembro 2016

Desafio nº 111

Já imaginaram uma linha gratuita,
de atendimento permanente, que fosse o 111?
É isso que vos peço, brinquem com a ideia.
De que ajuda precisam? Ou de que ajuda precisa a vossa personagem?
No texto, terá de se perceber qual a função da linha que imaginaram, claro.

Eu já me diverti com isto…
– Estou, é do 111?
– Exatamente, minha senhora, 111, atendimento permanente para encontrar os objetos perdidos em casa.
– É que perdi as chaves do carro, já estou atrasada, o stress não me ajuda nada, já revirei a casa toda!!!
– Minha senhora, faça o seguinte, por favor.
– Sim…
– Sente-se. Feche os olhos. Deixe que a sua respiração acalme… Agora, imagine que está a chegar a casa… Recoooooooordeeeeeeee… Onde as deixou?
– Ah, que maravilha! Já as descobri, estão no frigorífico!!!
Margarida Fonseca Santos, 55 anos, Lisboa

Desafio nº 111 – linha de atendimento 111

29 setembro 2016

Diz o silêncio

O silêncio também é música. O silêncio também conforta a alma. O silêncio também consegue gritar. Porque nem todos os sentimentos são traduzíveis. Nem todos os sentimentos conseguem falar. Há sentimentos mudos. Sentimentos para os quais nem a música é suficiente. Sentimentos produzidos pelo ruído dos pensamentos, que percorre o corpo da cabeça aos pés. Sentimentos mais intensos do que qualquer linha melódica. Sentimentos que nos deixam paralisados, bloqueados, debilitados. Sentimentos que só permitem o silêncio falar. 
Carolina Constância, 23 anos, S. Miguel – Açores

Desafio nº 52 – uma história com música, ruído e silêncio

Alcançar o futuro

Durante aquele longínquo verão sonhava, assolada por sentimentos contraditórios, curiosidade, ansiedade e expetativa.
E o primeiro dia de escola chegou. Vestiram-me um vestido branco, feito a propósito para a ocasião, uma fita cor-de-rosa adornava o cabelo e, na cara, um sorriso tímido.
Na cabeça, sonhos, na pasta, o escasso material próprio da época, o suficiente para alcançar o futuro.
Uma sala cheia de meninas, uma professora de bata branca. Meninos à parte.
Não mais deixei a escola.
Joana Marmelo, 50 anos, Cáceres, Espanha

Desafio Escritiva nº 12 – a escola…

Programa Rádio Sim 850 – 29 Setembro 2016

OIÇA aqui
o programa em podcast na Rádio Sim

Agradecido
Facebook, pensamos muitas vezes que não temos palavras. Aqui na tua casa o que não falta são palavras. Então hoje, pela primeira vez que o faço, servi-me como muita gente faz de 77 palavras para descrever a história deste dia. Abençoaram-nos bem cedo os amigos que foram chegando de todo o lado. Trouxeram os filhos à nossa companhia, para celebrarmos com alegria os tenros anos da nossa filha. Misturaram carinho com alegria, juntaram simpatia, encheram-nos a alma!
João Pedro Pais Nogueira, 47 anos, Seia – Guarda

Na escola

Coloque o meu texto, professora!
– E o meu também!
Foram parar no mural os adolescentes trocando olhares, o casal se despedindo, a menina viajando para Portugal, o estudante trêmulo antes da apresentação.
O avô olhou as histórias a seu lado e contou para a netinha sonolenta que o namorado, em busca da felicidade, ofertou flores para a amada. A menina comoveu-se com os sonhos que se foram e se animou com a mensagem de cair e levantar-se.
Celina Silva Pereira, 66 anos, Brasília, Brasil.

Desafio Escritiva nº 12 – a escola…

As aulas

Cada ano estou mais velha, mas nem por isso mais acostumada. 
Tudo se repete e inevitavelmente tudo muda.
Novo horário, novas viagens e madrugadas. Consequentemente novas noitadas. Quiçá nova escola, novos colegas ou talvez não...
Novos livros e alguma nova matéria. O nervosismo, esse, o mesmo de sempre!
Mas enfrento cada dia com um sorriso, com a esperança renovada que farei diferença na vida de alguém. Alguém que futuramente recordará com carinho a primeira professora que teve.
Carla Silva, 42 anos, Barbacena, Elvas
Desafio Escritiva nº 12 – a escola…


Com as escadas em frente

A minha escola tinha três andares. No primeiro, andavam os mais novos. Os mais velhos subiam uma escada empinada para os andares de cima. Víamo-los subir carregando malas pesadas. Mais tarde, desciam ao recreio como uma manada de búfalos, a saltar os degraus de dois em dois. Depois eu também subi para aquelas alturas. Quando começava a sentir-me à vontade, a escola acabou. Fui para o liceu. Estava novamente no primeiro andar, mesmo em frente das escadas.
Mª Jesús Fernández, 50 anos, Mérida, Espanha

Desafio Escritiva nº 12 – a escola…

28 setembro 2016

Programa Rádio Miúdos 108 – 28 Setembro 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!
É a rádio mais fantástica que há!


Ir além
A história de minha vida não se resume apenas em ter alguns amigos, tirar uma boa nota e criar um bichinho de estimação.
Não! Vai muito além disso. Porque minha mãe me disse que vale muito mais a pena ser do que ter. E é por isso que eu quis ir além.
Porque a viagem começa no momento em que decidimos ir. E, por mais difícil que possa ser, em meu caminho eu sempre vou querer mais.
Tauane Gonçalves Nunes, 13 anos, 8º ano A, CEF 04 de Brasília, profa. Celina Silva Pereira
Desafio nº 2 – “Sempre quis ser uma história”, palavras obrigatórias por ordem inversa

Programa Rádio Sim 849 – 28 Setembro 2016


OIÇA aqui
o programa em podcast na Rádio Sim

Parados
Há dias em que nada é certo. Dias em que a cabeça percorre o universo à velocidade da luz e não consegue encontrar nenhuma solução. Dias em que nos tornamos prisioneiros dos nossos próprios pensamentos. Em que a languidez nos invade o peito e o medo supera qualquer vontade de sorrir. Dias em que ficamos ali, parados. A tentar reconhecer a imagem refletida no espelho. À espera que uma estrela mais brilhante nos diga para onde ir.
Carolina Constância, 23 anos, S. Miguel, Açores
Desafio nº 21 a propósito de uma ilustração

27 setembro 2016

Sonhando acordada

Conseguia passar horas e horas a olhar o horizonte. A pensar em tudo e em nada, a tentar conhecer-se a si própria. Viajava com os pensamentos até mundos longínquos e desconhecidos. Imaginava mil e um cenários diferentes, mil e uma vidas possíveis. Sonhava acordada. Sonhava até explodir a cabeça com expectativas e ilusões, até fazer o coração rebentar de emoção, até rasgar os lábios de tanto sorrir. Até voltar a acordar, e encontrar tudo no mesmo lugar.
Carolina Constância, 23 anos, S. Miguel, Açores

Desafio nº 18 – palavras proibidas: não que mas pois como verbos: estar + ser

Luz e sombra

De dia, viam-se muito pouco. Ele vivia escondido nos buracos sombrios: era uma criatura da sombra. Ela habitava nas superfícies luminosas e quentes, aspirando a energia do sol: era uma criatura da luz. Ao anoitecer, quando o azul profundo do mar se pintava de laranja, ele emergia à face das coisas. Certo dia, encontraram-se. Dentro deles, um arco invisível tornou-se círculo e os uniu. Quem diria que, naquele adormecer fugaz do astro-rei, criaturas tão antagónicas pudessem amar-se. 
Isabel Sousa, 64 anos, Lisboa.

Desafio nº 6 – Início e fim: De dia viam-se muito pouco …….. Quem diria!

O reencontro

E no dia 3 do 5, exactamente 7 anos depois, voltámos a encontrar-nos. Estavas com os teus primos, passaste por mim sem me reconhecer. 
Estou assim tão mudado?!
Pensei chamar-te, mas desisti, tal como naquela altura, desisti de entregar-te a carta que escrevi, contando o que sentia por ti.
Tive medo que me ignorasses, que o meu amor fosse uma anedota para ti.
Medos de adolescente.   
E agora já adulto, que me impede? Nada, ou talvez tudo.
Carla Silva, 42 anos, Barbacena, Elvas

Desafio RS nº 41 – números primos e… primos

Programa Rádio Sim 848 – 27 Setembro 2016

OIÇA aqui
o programa em podcast na Rádio Sim

Em busca do refúgio
Agarrou no martelo, decidido em arranjar solução para o problema.
Avançou sem medo pelo matagal, derrubando os obstáculos que surgiam, para que nada o impedisse de chegar ao destino, seu refúgio.
Deixou para trás um campo completamente desmembrado pela perseverança… e o jardim, muito bem tratado, apareceu finalmente à sua frente!
Preparado para reparar a cerca que o protegia, avançou. Foi quando sentiu uma dor profunda: um espinho minúsculo, de uma rosa vermelha, espetara-se-lhe a mão.
Desmaiou!
Malvina Sousa, 37 anos, Ponta Delgada malvinasousa@gmail.com
Desafio nº 110 – 8 palavras obrigatórias

26 setembro 2016

Programa Rádio Miúdos 107 – 26 Setembro 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!

É a rádio mais fantástica que há!

Botânica
Elas encantam e compõem o dia a dia das pessoas. São inspiradas pelo ambiente. Possuem características diferentes – estreladas, arredondadas, e de muitos outros tipos.
A grande característica delas é a cor. Seu uso é ligado à coloração, que pode indicar um momento romântico, de despedida ou de acolhida.
A cor é o que diferencia a maioria delas e também causa preferência nos seres humanos. Elas são belas, possuem um aroma muito bom. As flores são realmente encantadoras.
Daniela Ferreira da Conceição, 13 anos, 8º ano C, CEF 04 de Brasília, profa. Celina Silva Pereira
Desafio nº 16 – uma palavra que define todo o texto