24 janeiro 2017

77x77 - João Tovar

Nas vagas florestas da Tansmânia, em tempos ainda sem palavras e no reino dos animais livres, o amor impossível entre cão e felina gerou um canino listrado de focinho aguçado. Criou e dominou largos territórios até à chegada dum novo e estranho selvagem, de nome humano. Como qualquer amor demasiado, foi incompreendido e invejado, e até ao último dizimado. Ainda hoje, ressoados por pássaros e plantas, ecoam escuros e fundos rugidos ou latidos do Lobo da Tansmânia.
João Tovar

23 janeiro 2017

Dias de chuva

Nos dias de chuva e vento, gosto de estar em casa a descansar e estar com a minha família. E claro, beber um leite bem quente. Nesses dias, completo-me de amor. Gosto muito de ver na janela a chuva na rua. E gosto imenso do barulho da chuva, relaxa-me. Queria tanto voltar ao verão, ir para a praia e ver aquele lindo mar azul. E, enquanto não tenho nada para fazer, pinto telas, principalmente com tinta vermelha.
Ângela Santos, 13 anos, Oliveira do Bairro, I.P.S.B., prof Carla Oliveira
Desafio Escritiva nº 3 – texto com: chuva, vento, amor, azul, vermelho e rua

Ângela Santos, 13 anos, Oliveira do Bairro, I.P.S.B., prof Carla Oliveira

Puré...

Estava eu a fazer o jantar, quando a minha mãe me liga a dizer que vem jantar a minha casa e disse que lhe apetecia muito puré de batata. Apressei-me a fazer o jantar, pois queria muito agradar-lhe.
Preparei tudo: pus a mesa e ia começar a fazer o puré de batata. De repente entrei em pânico: NÃO TINHA BATATAS!!!
Gritei com o cão que estava sossegado, até que abri o armário e tinha flocos de puré.
Diogo Carrada, 6A, 11 anos, Olhão, EB23 Prof Paula Nogueira, prof Cândida Vieira

Desafio Escritiva nº 15 – falta um ingrediente e o jantar é dali a nada…

Quadro de Excelência

Estava no ano letivo 2015/2016 e só me preocupava com a entrada no Quadro de Excelência. Sabia que seria difícil, mas não me perdi, era um sonho que tinha de alcançar. E no dia da revelação das notas, em que ia ver o meu futuro que ainda estava um pouco longe, acreditei sempre que seria capaz. Na verdade, uns meses depois, estava no palco com o prémio merecido pelo meu máximo esforço. Eu sabia que era capaz.
Maria Mota, 13 anos, Lisboa, Escola General Humberto Delgado, Prof. Ana Oom 

Desafio RS nº 45 – «Eu sabia que era capaz!»

Aceitar

Aceitar da Vida o guião,
A compleição da imensidão
A leitura dos corais
A evidência dos sinais

Intuir a arte do Mar
O gérmen do bibliotecar
A museologia do Amar

E sorrir na linha do horizonte
Bebendo água da chuva, revigorosa fonte
Acordar na epístola da liberdade
Voar no lado bom da saudade

Navegar na caravela do Tempo
Correr nas páginas do Vento
Sentir sempre cada momento

E no sopro invernal
Baloiçar na pauta de um musical
Ana Mafalda, 47 anos, Lisboa

Desafio Escritiva nº 16 - promessa de ano novo por cumprir

Remediar muito...

Remediar sempre lhe parecera fácil. Por isso remediava não ir à escola porque não queria ser ninguém na vida e depois quando cresceu teve de remediar o seu emprego e o seu ordenado.
Remediou não ir ao emprego porque tinha frio, depois não tinha roupa e teve de ir com frio e aprendeu uma lição de vida; e depois foi uma mulher responsável e trabalhadora que criou a melhor fábrica de Portugal.
Remediar sempre lhe parecera fácil.
Gonçalo Santos, 6º ano - turma A, 11 anos, Olhão, EB23 Prof Paula Nogueira, prof Cândida Vieira

Desafio RS nº 43 - remediar parecia fácil

Expedita

Caráter peculiar tem o fiel entre os infiéis. Intuitos egoístas e impiedosos torturam o descuidado e opressor. Mas, os disfarces atraentes não impedem a luz nas trevas morais.
Embora fosse difícil suportar a luta desigual, conhecia o único caminho que livra de ser adorador do próprio eu.
Pela eternidade, creu na promessa do amor. Sabia não estar livre de obstáculos. Não importa o que aconteça, o amor é sempre alcançado por quem espera no Príncipe da Paz.
Renata Diniz, 40 anos - Itaúna/Brasil 

Desafio Escritiva nº 16 - promessa de ano novo por cumprir

Gosto ou não?

Esta manhã, levantei-me, com muito custo, pois a minha cama é muito confortável e estava quente.
Depois de concluir a minha rotina matinal, vim para a escola. A primeira aula seria a minha preferida: Português. Porém, hoje teríamos de fazer textos de setenta e sete palavras, algo de que não gosto!
Ainda assim, aqui estou a escrever este texto, que terá as tais setenta e sete palavras. Enfim, posso agora dizer orgulhosa: "Eu sabia que era capaz!"
Carolina Antunes, 14 anos, Lisboa, Escola EB 2/3 General Humberto Delgado, Prof.ª Ana Oom 

Desafio RS nº 45 – «Eu sabia que era capaz!»

Robócão

O cão que não conseguia andar, decidiu tentar. Levantou o pescoço só que caiu logo para o lado. Ganiu. Chorou. O dono apareceu.
Levantou-o e levou-o para casa. Colocou-lhe ligaduras e gelo. Foi ao veterinário. Arranjaram uma solução! O dono arranjou pernas robóticas. O veterinário instalou-as. Ele transformou-se no robócão.
― Estou curado! Eu sabia que era capaz. Mas a verdade é que, sozinhos, não conseguimos nada. Precisamos de ajuda e precisamos uns dos outros – disse ele alegremente.
Adriana Barbora, Ana Rita Cintrão, Beatriz Pontes, Daniel Borralho, Leonel Oliveira, Renato Martins, EB Quinta de Santa Marta de Corroios, prof Rita Reis
Desafio RS nº 45 – «Eu sabia que era capaz!»

Rica?!

Eu tenho um grande novo laço
E o galo mete-o na lago
Vá lá que eu tenho cola
Para que ele fique novamente bonito
Eu moro ao pé do vale
E fui cair num grande buraco
E aí ganhei um grande calo
Minha sorte foi o padre içar-me
Ele leva a vela à madre
Para ela iluminar o seu quarto
E assim poder pôr a gola
Vocês pensam que eu sou rica
Eu tenho é muita larica…
Marta Calé, 6A, 11 anos, Olhão, EB23 Prof Paula Nogueira, prof Cândida Vieira

Desafio nº 113 – anagramas em frases de 6 palavras

Programas Rádio Sim - semana 23 Janeiro 2017

Todos os programas, sempre com Helena Almeida e Inês Carneiro, nas Giras - podem ouvir-se aqui
(ou pelos links que estão em baixo)

Indicativo do Programa - Música e letra: Margarida Fonseca Santos; Arranjos, direcção musical, piano e voz: Francisco Cardoso - Histórias de Cantar CD - Conta Reconta

Horário na Rádio Sim - 17h45, todos os dias


Quer saber que histórias foram lidas? Vá por aqui:

22 janeiro 2017

Com outra?!

Ela tem uma gola tão branquinha…
Quem? A que vende na lota?
Sim, acha-se muito boa, a maluca
Acha que vale milhões de euros!
Realmente parece que levou na tola.
Ela mora lá ao pé mim.
Acho que agora vai para Roma.
E leva o seu grande amor!
Vai ser um jantar de vela.
Pelo o que ela me contou…
Acho que vai ser num lago.
Mas o alto anda com outra.
Algo que ela não sabe.
Beatriz Brandão, 6º A, 11 anos, Olhão, EB23 Prof Paula Nogueira, prof Cândida Vieira

Desafio nº 113 – anagramas em frases de 6 palavras

Emagrecer ou engordar?

Embora o meu doutor tivesse o aspeto de um gordo do Botera, precisamente ele próprio deu-me a sugestão para emagrecer. Não escutar um conselho não seria esperto, e tomei a intenção de perder peso. No início os conhecidos deram-me elogios. Porém, meses depois saudaram-me com olhadelas ansiosas. E então foi apenas numa reunião anual, quando uns antigos colegas se preocuparam com a minha saúde, que realizei, eu tinha mau parecer.
Minha intenção deste ano: "Engordar uns quilos".
Theo De Bakkere, 64 anos, Antuérpia, Bélgica

Desafio Escritiva nº 16 - promessa de ano novo por cumprir

A leitura de Marcelo

A 12 de dezembro de 1948, em Lisboa, nasceu Marcelo, uma criança curiosa e inteligente que gostava de ler, sonhava em mudar o mundo, queria saber tudo, lia livro após livro, todo o tipo de livros, sonhava e crescia com eles.
Já adulto foi jornalista, professor universitário, defensor da liberdade de expressão, comentador político, insaciável de conhecimento.
Marcelo outrora criança, agora presidente continua a gostar de ler, pois o saber não ocupa lugar e a leitura enobrece...
Lara Polónio Gil, 6ºA, 11 anos, Olhão, EB23 Prof Paula Nogueira, prof Cândida Vieira

Desafio nº 114 - trocar as voltas ao ditado popular