30 maio 2018

EXEMPLOS - desafio 142

A viagem
O fato aconteceu lá distante, noutro continente.
Via-se a chegada à estação do expresso.

Theo De Bakkere ― desafio 142


A promessa
Abrir o cortinado era meu primeiro ato.
seguidamente preocupei-me com a limpeza diária.
Foi minha promessa prometida à querida mãe.
Que expressamente foi levada para o hospital.
Ali estava ligada a um rim artificial.
Oramisérias da vida nunca vêm sozinhas.
Talvez lhe  devam  retirar rim contaminado. 
Os problemas aproximaram-se rapidamente como imagens fantasmagóricas.
Pensando no paitambém está de cama.
Não posso esquecer para despejar seu continente.
E, ainda falta uma travessa com frutas.
Theo De Bakkere, 66 anos, Antuérpia, Bélgica
Desafio nº 142 ― 11 palavras para frases de 7

Diário 77 ― 62 ― Mudança

Apeteceu-lhe fugir, gritar acusações só para magoar, fazer daquela questão um mar de indignação! A tentação era tão grande que sentiu as frases pensadas como lâminas capazes de cortar a relação. Mas não o fez…
Fixou os olhos no chão e respirou fundo. Durante alguns segundos, não ouviu, nem sequer pensou. Só respirou. E, quando voltou a olhar para ela, tudo estava diferente.
Abraçou-a, falaram, aceitaram-se e reencontraram-se. Reencontraram a vida que tinham pensado juntos. A deles.
Margarida Fonseca Santos


Filomena Galvão ― desafio 142

Ontem fora-lhe diagnosticado problemas graves no rim.
Lavou, estendeu, engomou e pendurou o cortinado.
A limpeza deixou-a com dores, de rastos.
Tomou um expresso, podia ser que ajudasse.
Ainda pegou na travessa do peixe assado.
Zás, catrapás — tudo no chão, que miséria!
Contorcida, olhou-se ao espelho: Que ar fantasmagórico!
Fez uma promessa: ia cuidar de si.
Ia sair da ilha rumo ao Continente.
Fazer um qualquer retiro espiritual certamente e
Ter um único pensamento: curar-se pelo transplante.
Filomena Galvão, 57 anos, Corroios
Desafio nº 142 ― 11 palavras para frases de 7

Mariana Sanchez ― desafio 142

Tamanha miséria, a que vai nesta casa!
Nem uma única pastilha de café expresso?!
Travessa dos bolos, partida e mal remendada.
O cortinado da avó, queimado de cigarro.
Que generosos!, deixaram um rim no congelador.
Fantasmagórico, seria o adjectivo ideal, não acham?
E que bela limpeza me espera aqui...
Pensamento positivo, vou encontrar a melhor solução!
Primeiro, Continente ― sem comida e detergente... impossível!!!
Promessa de escuteiro, não alugar a desconhecidos.
Retiro o que disse, "Airbnb" não compensa!!!
Mariana Sanchez, 39 anos, Barcelona 
Desafio nº 142 ― 11 palavras para frases de 7

Fátima Fradique ― desafio 126


Precisava decidir! Sentia-se intermitente! Desejava partir, mas a saudade antecipada impedia-o. Desejava ficar, mas a ambição impelia-o. Porquê optar? A dúvida atormentava-lhe a mente e o coração! Observava a esposa e o filho que o fixavam com olhos inquiridores, tentando descobrir a decisão tomada. Facilitaram-lhe a decisão, quando lhe comunicaram que deveria aceitar a proposta de emprego, que o visitariam todos os fins de semana e que uma videoconferência diária cuidaria da saudade até ao encontro semanal
Fátima Fradique, 44 anos, Fundão
Desafio nº 126 – sentia-se intermitente

Chica ― desafio 142


A viagem
O fato aconteceu lá distante, noutro continente.
Via-se a chegada à estação do expresso.
A viagem, promessa feita sendo cumprida alegremente.
pensamento voava, pousava em cada comboio.
De repente aquela dor no rim voltou.
Ele começou com a cor fantasmagórica novamente.
Mas que porca miséria, não era hora!
Retiro o seu calçado, odor se espalha. 
Deitou no banco e puxou o cortinado.
Começa a limpeza pelo dedão do pé.
Agora, a travessa do lanche pode vir!
Chica, 69 anos Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Desafio nº 142 ― 11 palavras para frases de 7

Carla Silva ― escritiva 32


A Irmandade
Se queria entrar na irmandade, teria de fazer o que lhe pediam. Capturar um enorme Gnu.
Mas quem se lembraria de tal coisa?
Era praticamente impossível!
Sem esquecer que para o conseguir teria de ir até África. Ele que nunca saíra da sua amada cidade, agora tinha de ir até ao fim do mundo para arranjar um gnu.
Isto se pretendesse entrar na irmandade. E ele queria.
Até mais que casar com Jaquelina a sua imposta noiva. 
Carla Silva, 44 anos, Barbacena, Elvas
Escritiva nº 32 ― um GNU na história

Fátima Fradique ― desafio 128


Tinha colocado tudo na gaveta. Atirei a chave ao rio. A minha mente tinha arquivado o assunto. Ele não! Idiotice! Sentia um nó na garganta. Agora, tinha apenas uma réstia de esperança. Ver o sol nascer de novo sem azedumes. Esquecer. Ele insistia em ficar. Eu, na sua partida.Pasmado não entendia que estava finalizado. Insistir era a minha asfixia. Para esquecer, a separação. Separados, o assunto cairia no esquecimento e poderia viver uma falsa culpa inocência.
Fátima Fradique, 44 anos, Fundão
Desafio nº 128 – 12 palavras com 4 no meio

Ana Beatriz ― desafio 118


Tímida Chuva
Num reino distante, a maioria dos habitantes detestava a luz. Nas trevas, perseguiam os radiosos. A princesa Maria, de carácter bondoso, era muito atingida. Apelidaram-na de Tímida Chuva. Preferiam chuva torrencial, vendavais, grandes incêndios.
Quando os fogos chegaram, a Tímida Chuva, compadeceu-se com o sofrimento daqueles que a ostracizavam. O seu apelido, alvo de tanta zombaria, foi pronunciado com respeito. As nuvens rosaram, doando água milagrosa, restabelecendo a harmonia. Dos rostos claros, orvalhados pelo amor, explodia gratidão.
Ana Beatriz, 39 anos, Lisboa
Desafio nº 118 – associação de palavras

Desafio nº 142

Vou dar-vos 11 palavras obrigatórias, que podem ser usadas por qualquer ordem, nas 11 frases do texto, uma palavra por frase. Contudo, todas as frases terão obrigatoriamente 7 palavras. Vamos a isto? Podem adaptar as palavras.

CORTINADO   RETIRO   PENSAMENTO   PROMESSA   TRAVESSA   RIM  
LIMPEZA   EXPRESSO   FANTASMAGÓRICO   CONTINENTE MISÉRIA

Eu já experimentei várias vezes, deixo-vos aqui um deles:
Era expressamente proibido abandonar-te naquele momento desgraçado.
Acabadinho de operar um rim, gemias, fiteiro.
E a travessa dos rissóis desinquietava-me!
O pensamento colava-se ao seu cheiro quentinho.
Fiz uma frágil promessa: não lhes tocar.
Tu, de olhar fantasmagórico, pedias atenção, claro.
És aborrecido como um retiro de silêncio.
Com grande limpeza, liguei o teu rádio.
Corri o cortinado e esqueci-me do prometido.
Não sei em que continente vives, mas…
Despachei os rissóis, enquanto gemias misérias, paciência.
Margarida Fonseca Santos, 57 anos, Lisboa
Desafio nº 142 ― 11 palavras para frases de 7

MAIS EXEMPLOS

29 maio 2018

Diário 77 ― 61 ― A caixa de fósforos

Era uma caixa de fósforos, pequena e já bastante estragada. Estava ali, na varanda, junto de brinquedos que alguém largara por instantes…
Pedro, de cócoras e curioso, agarrou nela. Não foi fácil perceber como se abria, mas conseguiu!
Ao espreitar lá para dentro, uma surpresa – estava repleto de bolinhas pretas, castanhas claras, lindas.
Seriam para comer? Eram tão apetitosas!!! Agarrou numa e experimentou.
Um grito fê-lo cair ao chão:
– Pedro! Estás a comer os meus bichinhos-de-conta!!! Larga!
Margarida Fonseca Santos


Mário - desafio 128

Num dia de muito Sol, estava a observar o rio. Deparei-me muito incrédulo e pasmado com os peixes em asfixia, pois só havia uma réstia de água. Zé António Azedume achou que seria uma idiotice consultar o que estava arquivado nas maiores das maiores gavetas do mundo. Podendo assim ficar a conhecer o Senhor Garganta que iria dar por finalizado o segredo sobre a falta de água, no caudal, que corria desde a nascente até à foz.
Mário, 6ºB, 11anos, Olhão, Escola EB 2/3 Professor Paula Nogueira, Profª Cândida Vieira
Desafio nº 128 – 12 palavras com 4 no meio

Sara e Miguel - desafio 52


Era uma vez um homem que se chamava Dominique e adorava o silêncio. Mas o vizinho da direita, o Luís, era mecânico e fazia muito ruído.
A vizinha da esquerda, a Raiponce era professora de música…
Um dia, farto de barulho, o Dominique foi propor dinheiro à sua vizinha para mudar de casa. E fez o mesmo com o seu vizinho.
Mas o Dominique não imaginava que a vizinha Raiponce ia trocar de casa com o Luís…
Sara e Miguel - 7.º ano - Monthey – Suíça, prof Amélia Pessoa
Desafio nº 52 – uma história com música, ruído e silêncio

Mariana ― desafio 126


Na minha rua, existe um sinal que se estraga sempre que há uma trovoada.
Como naquela noite houve uma trovoada enorme, o sinal ficou estragado.
De manhã, quando estava a ir para a escola, o sinal estava muito confuso: uma vez dava verde, outra vez dava vermelho, uma grande confusão. Nem quero falar de como estava o trânsito por causa disso! O sinal sentia-se intermitente e, com isto, os carros e os peões tinham de ter cuidado.
Mariana, 6º A, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 126 – sentia-se intermitente

Luís ― desafio 92


Que frio que estava, era bem cedo e começou o pesadelo diário.
Tive o espanto quando ouvi o ranger da porta a abrir e pensei que fossem os meus pais. Senti uma revolta que mudou a minha vida para sempre. Apareceu-me o cão, que eu sempre quis ter, para brincar com ele.
Mas nós tínhamos uma coisa em comum. Tínhamos ficado sem uma perna, mas com a repetição do dia-a-dia, fomos ficando cada vez mais estranhos.
Continua…
Luís, 7º ano, Esc. Sec. Dr. José Afonso, Seixal
Desafio nº 92 – associar: frio, espanto, revolta e repetição

João ― desafio 135


Usei um apito pela primeira vez enquanto comia um Dorito. Fiquei feliz porque tinha feito isso alguma vez na vida.
Passado algum tempo, fui comer peixe frito. Depois de comer fui jogar basebol e descobri que tinha jeito.
Comi um pedaço de carne ao jantar e ficou no dente, por isso usei um palito.
Fui jogar futebol para passar mais algum tempo de diversão, mas passado algum tempo começou-me a doer muito o peito. Que grande aflição!
João, 5ºC, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 135 – 7 palavras com ITO

Jéssica ― desafio 19

O amor acontece
Todos os dias, Catarina ao ir para o trabalho suspirava por um grande amor.
Numa viagem a Roma encontrou Pedro à porta do aeroporto. A roupa que trazia vestida fazia lembrar um tropa.
Catarina fica a topar e ri para ele. De broca na mão, Pedro dirigiu-se a ela para a ajudar.
Assustada, fugiu e tropeçou num resto de romã podre. Danada, disse cobras e lagartos! Por sorte, Pedro estava por perto para a agarrar. Encantados beijaram-se.
Jéssica, 16 anos, 9º ano, Escola Secundária Ferreira Dias, Prof. Cristina Santos 
Desafio nº 19 – anagramas dentro da história

Leonor ― desafio 133


Um dia, enquanto caminhava à beira-mar, encontrei a minha melhor amiga. Falamos muito, até que de repente ela diz-me:
― Leonor, no outro dia fiz uma asneira terrível, caí nas silvas.
― O que fizeste?
― Acho que  não é uma asneira muito má, mas preciso de desabafar. Eu bati numa colega minha, mas foi para me defender.
― Não lhe devias ter batido, mas eu entendo que te querias defender. Primeiro tens de pensar nas coisas antes de as fazeres.
Leonor, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 133 ― cair nas silvas

28 maio 2018

Ricardo ― desafio 125


Olá sou o Joaquim Mendes. Atualmente, estou em Orlando, Estados Unidos. Avisaram nas notícias que ia haver um tornado suficiente para destruir o meu jardim. Tiramos tudo que estava no jardim o tornado veio e arrastou cercas, relvas e carros ficou tudo, tudo destruído. Ficámos sem jardim. Sortudos como somos, mudámos de casa. Fomos para Inglaterra. Ficou tudo bem para nós. Os nossos amigos sem sorte, por lá ficaram. Nós não esquecemos os amigos e viemos ajudá-los.
Ricardo S., 6º M Casa Pia de Lisboa – CED Nuno Álvares Pereira – prof. Teresa Monteiro
Desafio nº 125 – tornado no jardim

Iara ― desafio 125


Lá estava no meu jardim, pensando em muitas coisas, a minha cabeça parecia um tornado que andava a mil há hora, nestes dias ando muito com a cabeça nas nuvens, nem consigo concentrar-me.
Havia chegado á escola um rapazinho novo na cidade, ele era lindo de morrer, parecia Apolo e tinha cabelo de oiro.
Era muito tímido, coitado era novo, não conhecia ninguém,
Fui conhecê-lo melhor e ficamos amigos, ou algo mais do que amigos, nunca saberemos…
Iara Pedro, 6º M Casa Pia de Lisboa – CED Nuno Álvares Pereira – prof. Teresa Monteiro
Desafio nº 125 – tornado no jardim

Diário 77 ― 60 ― Poemas


A poesia que escrevia era a única coisa que não partilhavam. Não por vontade dela, que começou por mostrar e depois guardou sem esconder. Também não por vontade dele, pois apenas se sentia incomodado nos versos que lhe tocavam fundo, mas que não conseguia explicar com a razão. Em tudo o resto, as almas achavam-se gémeas. Contudo, há sempre um dia que desarruma as histórias das pessoas, e nesse dia ele leu e entendeu com o coração.
Margarida Fonseca Santos


OUVIR

PODCAST ESCOLAS 56 a 60

Tudo aqui 

PODCAST ESC 56 ― Luana e Salvador ― 28 maio 2018  OUVIR
Luana, 12 anos – Colégio Paulo VI, Gondomar, Prof.ª Raquel Almeida Silva
Desafio nº 135 – 7 palavras com ITO
+
Salvador, 8º ano, Colégio Bernardette Romeira, Olhão, professora Ana Cristina Santos

PODCAST ESC 57 ― Ângela, Gabryella e Natalia e Alejandro e Laura ― 29 maio 2018  OUVIR
Ángela, 16 anos, Gabryella, 15 anos, e Natalia,16 anos
Desafio nº 59 – 14 vezes a palavra não
+
Alejandro, 16 anos, e Laura, 15 anos
Escola Secundária IES Rodríguez Moñino, Badajoz, prof Catarina Lages
Desafio nº 87 – ponte, rio, cabra

PODCAST ESC 58 ―Beatriz, Catarina, Gonçalo e 2ºA EB Ermida ― 30 maio 2018    OUVIR
Beatriz, Catarina, Gonçalo - 12 anos, – Colégio Paulo VI, Gondomar, Prof.ª Raquel Almeida Silva
Desafio nº 125 – tornado no jardim
+
Alunos do 2º A – EB Ermida – AE Abel Salazar – Matosinhos, prof. Alexandra e Joana Guimarães
Desafio nº 37 – uma história sem usar a letra A

PODCAST ESC 59 ― Sara, Miguel e Mário ― 31 maio 2018    OUVIR
Sara e Miguel - 7.º ano - Monthey – Suíça, prof Amélia Pessoa
Desafio nº 52 – uma história com músicaruído e silêncio
+
Mário, 6ºB, 11anos, Olhão, Escola EB 2/3 Professor Paula Nogueira, Profª Cândida Vieira
Desafio nº 128 – 12 palavras com 4 no meio
#77palavras #margaridafonsecasantos #rosariopribeiro

PODCAST ESC 60 ― Érika e Samara e Rodrigo ― 1 junho 2018    OUVIR
Érika, 13 anos, e Samara, 14 anos, 8º ano, CEF 2 de Riacho Fundo 2, Brasília, Brasil, profª Celina Silva Pereira
Desafio nº 35 – partindo de dois versos de autor
+
Rodrigo, 12 anos – Colégio Paulo VI, Gondomar, Prof.ª Raquel Almeida Silva
Desafio nº 125 – tornado no jardim

Programas Rádio Sim - 28 maio 2018

Todos os programas, sempre com Helena Almeida e Inês Carneiro, 

nas Giras e Discos, podem ouvir-se aqui (ou pelos links que estão em baixo).

Indicativo do programa:








- Música e letra: Margarida Fonseca Santos; 
Arranjos, direcção musical, piano e voz: Francisco Cardoso
- Histórias de Cantar CD - Conta Reconta

Celina Silva Pereira ― desafio 137


Conto de fadas – continuação
A fada do isqueiro encontrou o gênio da lâmpada:
― Está difícil. Ontem, não criei carruagem, que estava sem abóboras. Não haviam sido entregues na Central de Abastecimento e daí para os feirantes. Estou devendo um burro de brinquedo a um pobre menino na história da professora.
― Verdade, respondeu o gênio: pediram hoje rosas e recorri às de plástico. Fiquei devendo também. Pagarei a uma dona de casa que com elas decorava a mesa da sala.
Celina Silva Pereira, 67 anos, Brasília, Brasil
Desafio nº 137 ― rosa, isqueiro, burro